Jornal Evolução Notícias de Santa Catarina
Facebook Jornal Evolução       (47) 3059-1228       Whatsapp Jornal Evolução (47) 99660-9995       E-mail

O que temos feito das nossas vidas?

Segunda, 19 de outubro de 2015

 

É muito comum que tentemos avaliar nossa vida através de números.

Nas empresas tudo se avalia por metas de mercado, colocado em tabelas, são gráficos de como estão as coisas estão caminhando.

Mas quando voltamos pra casa, e avaliamos como foi o dia, constatamos que, caso tenha sido um ótimo dia, foi por alguma sensação. Abraço, aplauso, encontro com alguém especial. E nada disso pode ser traduzido por números. E se pararmos pra pensar, nada do que realmente importa pode ser quantificado.

Todos esses sentimentos bons foram reunidos na palavra amor. Com “amor” tudo fica mais fácil. E não há muita clareza, temos que admitir, numa concepção exata sobre o que é “amor”.

A historia é cheia de historias sobre o amor. E vários pensadores dissertaram sobre isso . Platão, Aristóteles, Jesus.

Platão já falava amor. Definiu o amor como “amar é desejar”. Você ama aquilo que deseja (na intensidade que deseja, e enquanto deseja). Mas se amor é desejo, o que é desejo? Segundo Platão, é a falta. Do que não somos e gostaríamos de ser. Do que não temos e gostaríamos de ter.

Fomos educados desde criança a “amar” na forma que Platão se referia. Na escola, quando éramos pequenos,  a professora dizia que “o primário era a preparação para o ginásio”. Estudamos no primário querendo estar no ginásio. Depois, já no “ginásio”, era uma preparação para o colegial. Agora, então, só com os “adultos”, se preparar para o vestibular. E quando entramos na faculdade, felizes, alguém nos diz que a faculdade é a preparação para a vida. E então, te dizem que você precisa fazer estágio. E quando faz estágio, dizem que é imprescindível uma efetivação. E após ser efetivado (após 20 anos de vida de preparação), seu chefe olha para você e diz: “Essa empresa tem 15 níveis, e o Sr está no G15, e por hora você deve se esforçar para chegar no G14. E para isso você precisa atingir metas”. Quando atinge o G14, você continua tentando subir. Após 15 anos, você está no G8, e de repente, você é substituído. E então você começa a dizer “quando eu me aposentar tudo vai melhorar”.  E após você morrer, aos 80 anos, pode ser que as pessoas, ao redor do seu caixão, ainda digam “nada de tristeza, porque o melhor ainda está por vir...”. A sua vida passou, e você não teve coragem de dizer “algo está errado nesta jornada”. A promessa da sociedade é “sempre haverá algo que você não consegue comprar”, e você vive em busca de algo que não terá.

Aristóteles, então, diz que amor “é alegria pelo que não falta mais”. É a satisfação das conquistas já realizadas. Pelo mundo como ele é. E como nem tudo nos agrada, não amamos tudo que nos cerca. “Alegria é a passagem para um estado mais potente do próprio ser”.

Se você fizer uma autoanálise das suas emoções durante o dia, você verá que há uma alternância no seu entusiasmo. Há uma energia que te anima, e ela oscila. E buscamos as coisas que nos alegram para nos fazer felizes. O mundo muitas vezes é criativo e nos entristece, e por isso que nem sempre vibramos positivamente.

E creio que os dois pensadores tem razão.

Amamos (desejamos) o que não temos. E amamos (nos alegramos com) o que temos. Amamos a falta e a presença.

E depois vem Cristo com outro conceito: “Meu amor é para qualquer um”. Nesse caso, o amado (aquele que recebe) é o “ator” principal. É o amor caridoso, benevolente. Esse “amor”  não é uma constante na nossa vida. Entramos com “sangue nos olhos”, “pronto pra rachar o adversário”. Isso não condiz muito com o amor de Cristo.

Deseje o que você não tem. Mas somente isso não basta.

Se alegre com o que tem. Mas também não basta.

É preciso ter com quem comemorar. Zele pela alegrias dos que você ama.

Tenha princípios. E vivencie-os. Coloque em prática e viva de acordo com o que você aceita como valioso e importante (isso são os seus valores). Respeite o próximo, e fazendo isso, busque seu jeito de ser feliz.

Nós somos nossos valores, nossas escolhas. Nós somos nossa estratégia de existência. Por isso, abrindo mão de nossos valores, sendo infiel aos nossos princípios, torna-se impossível ser feliz.

Não espere seus dias torcendo para que ele acabe. Não viva a semana esperando pelo final de semana. A vida não deve ser esperada. Fazendo isso, você só vai esperar que ela acabe, triste e enfadonha. Viva a vida, em sua plenitude. E faça os momentos felizes serem uma constante nos seus dias vividos.

Você, caro leitor, tem que entender que você terá que “se aguentar” o resto da vida. Então seu caminho será mais fácil se você se encantar por você mesmo. Então, encante-se com você. Faça por merecer sua própria admiração. Alegre-se. E isso é particular para cada pessoa. Encontre o que te faz feliz! E caso você não encontre encanto quando se olha no espelho, é hora de mudar e se transformar. Ainda dá tempo.

Não coloque mais dias em sua vida, e sim mais vida em seus dias.

Grande abraço, e desejo, do fundo do coração, que você seja feliz de verdade!



Comente






Conteúdo relacionado



Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade


Inicial  |  Parceiros  |  Notícias  |  Colunistas  |  Sobre nós  |  Contato  | 

Contato
Fone: (47) 3059-1228
Celular / Whatsapp: (47) 99660-9995
E-mail: contatojornalevolucao.com.br



© Copyright 2020 - Jornal Evolução Notícias de Santa Catarina
by SAMUCA