Jornal Evolução Notícias de Santa Catarina
Facebook Jornal Evolução       (47) 3059-1228       Whatsapp Jornal Evolução (47) 99660-9995       E-mail

As crianças nos ensinam a pureza da graça do Reino

Terça, 11 de agosto de 2020

 

“Em verdade vos digo, se não vos converterdes, e não vos tornardes como crianças, não entrareis no Reino dos Céus” (Mateus 18,3).

 

No Evangelho de hoje, tem duas coisas muito importantes. A primeira delas é nos convertermos para nos tornarmos como crianças, converter-se para a pureza e para a gratuidade, converter-se para ser pequeno.

As crianças não eram nada, não eram nem contadas, não tinham importância nem significância. Então, a nossa primeira conversão é para sermos sem importância e significância, porque seremos muito importantes e significantes para Deus. Para o mundo, as crianças são pequenas e o ditado até diz: “Criança não sabe de nada”.

Que bom que não sabemos de nada, que bom que saibamos aprender tudo de Deus, com Deus e n’Ele, e com Deus e n’Ele sejamos tudo. Que bom permitirmos que a nossa mente tão suja, por tudo aquilo que o mundo adulto colocou dentro de nós, seja renovada e purificada pela inocência e pureza de uma criança.    

O Reino dos Céus pertence aos puros de coração. Que as crianças nos ensinem a pureza da graça do Reino dos Céus.

A segunda realidade é que é preciso acolher o Reino dos Céus como a criança, mas é preciso acolher cada criança. “Quem recebe em meu nome uma criança como esta é a mim que recebe” (Mateus 18,5).

Não desprezeis nenhum desses pequeninos, não desprezeis nenhuma dessas crianças, não maltratemos e nem ignoremos nossas crianças.

Permitamos que nossa mente seja renovada e purificada pela inocência e pureza de uma criança

Sei que nenhum pai, nenhuma mãe, em sã consciência e juízo, é capaz de desprezar uma criança. Aqui, é preciso ser incisivo na educação, no cuidado e no respeito da própria educação dos nossos filhos. Não se cria filhos gritando, com palavras pesadas, com agressões, nem vou levar em conta que haja as agressões físicas, mas há muitas agressões verbais.

Agredir a moral de uma criança é quando os pais se agredirem entre si, não se respeitarem. Agredir a formação, inclusive, a inocência e a pureza de uma criança, é quando essa tem de se habituar à casa com a gritaria. Agredir a inocência de uma criança é quando uma casa, uma família os pais falam palavrões, palavras feias, impuras e malditas. Sei que alguns vão dizer: “É apenas um impulso. Sou acostumado”.

Lave a boca e o coração, purifique o ambiente e não acostume, porque a criança imita tudo que os pais fazem, quando não faz na hora, guarda no coração todas as coisas que nesse ambiente se ouve, se fala e se pratica.

Acolher uma criança não é simplesmente dar teto e abrigo ou satisfazer aquilo que ela quer, dando a ela presentes e brinquedos, pois e preciso cuidar das crianças como elas precisam ser: crianças.

Não trate as crianças como adultos porque elas não são adultos; criança precisa ser cada vez mais criança, acolhida, amada, respeitada e bem tratada, para que, depois, não se pague o preço tão alto como nós pagamos, porque não cuidamos bem das nossas crianças.

Deus abençoe você!  

Padre Roger Araújo

 

Sacerdote da Comunidade Canção Nova



Comente






Conteúdo relacionado



Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade
Publicidade


Inicial  |  Parceiros  |  Notícias  |  Colunistas  |  Sobre nós  |  Contato  | 

Contato
Fone: (47) 3059-1228
Celular / Whatsapp: (47) 99660-9995
E-mail: contatojornalevolucao.com.br



© Copyright 2020 - Jornal Evolução Notícias de Santa Catarina
by SAMUCA