Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo

O Natal e as diferentes religiões



Quarta, 05 de dezembro de 2018 10:02

 

Clique para ampliar
 

 

Prof. Dr. Cicero Bezerra

Para o mundo ocidental e religioso cristão o Natal, celebrado no dia 25 de dezembro, é a festa mais comemorativa e representativa. Segundo os historiadores, as festividades acontecem há mais de 1.600 anos.

A palavra “natal” significa “nascimento”. No caso do cristianismo, mais especificamente “o nascimento de Jesus Cristo”, considerado “o presente de Deus para o mundo”. Para os cristãos, Jesus é o protagonista do Natal, todas as festividades giram em torno de sua pessoa, seu nascimento é comemorado em todos os contextos da cristandade. No ambiente da cristandade, alguns símbolos são identificados, como os presentes, uma forma de lembrar o presente de Deus; Jesus Cristo enviado ao mundo na forma de uma criança; o presépio, que representa a história do nascimento de Jesus por meio de imagens, e os magos que seguiram a estrela-guia e foram conduzidos para o local em que Jesus nasceu.

Outro referencial é a família. Jesus nasceu de (e em) uma família, por isso a característica de uma festa familiar no período do Natal.

A data do Natal foi reconfigurada pela igreja cristã a partir do século III para incentivar os pagãos que estavam sob o domínio do império romano para que comemorassem o nascimento de Jesus de Nazaré. Com o passar do tempo o cristianismo tem no Natal seu principal referencial.

No entanto, milhões de pessoas ao redor do mundo não comemoram o Natal, são os religiosos que não fazem parte da cristandade, como por exemplo, as pessoas que seguem o Judaísmo, Islamismo, Hinduísmo, Xintoísmo e outros grupos, como ateus, agnósticos, humanistas e religiões que não são derivadas do cristianismo.

Cabe ressaltar que os judeus não comemoram o Natal mas celebram o Chanukiá, denominada “festa das luzes”. A festa tem com oito dias de duração e a cada noite é acendida uma vela de um candelabro montado especificamente para a ocasião. A tese principal do Chanukiá é “espalhar a luz”, sendo que o candelabro deve ser acesso na direção de uma janela ou porta para clarear as ruas que vivem nas trevas.

A comemoração do Hanukah (também conhecido como Festival das Luzes – Hanukkah tem início após o pôr do sol, do 24º para o 25º dia do mês judaico de Kislev, o nono mês do calendário hebraico, coincidindo com os meses de novembro ou dezembro do calendário gregoriano, que é o que utiliza-se comumente). Durante o Chanukiá são servidas panquecas de batata e roscas com geleia. Não há troca de presentes, entretanto, as crianças costumam ganhar dinheiro à meia-noite.

Os ateus não acreditam na existência de Deus e não comemoram o Natal, apenas celebram essa data como uma experiência comercial para comprar e vender produtos.

Os islâmicos não celebram o Natal. Para o povo muçulmano, o profeta Maomé foi quem deu sequência aos ensinamentos de Jesus. As festas religiosas mais importantes para os muçulmanos são o Eid Al Fitr, ("Celebração do fim do jejum"), celebrado no primeiro dia do mês de Shawwal, o décimo mês do calendário islâmico. Em algumas sociedades muçulmanas essa celebração é também conhecida como a "Doce Celebração" ou a "Pequena Celebração" depois do Ramadan (mês do jejum). Além disso, há o dia de Eid Al Adha, também conhecido como Grande Festa ou Festa do Sacrifício. Trata-se de um festival muçulmano que sucede a realização da peregrinação a Meca. Essas festas são sagradas e comemoradas pela comunidade islâmica, mas não com o intuito de comemorar o Natal.

Para o Budismo, o Natal é algo espiritual, ou seja, os budistas veem Jesus como um “Bodhisattva”, um ser elevado que ama a humanidade e faz sacrifícios por ela. A data mais importante é o Visakha Bucha, comemoração do nascimento, iluminação e morte de Buda. Geralmente, a festa acontece em maio, em dia de lua cheia, segundo o sexto mês lunar.

Por sua vez, para o Espiritismo não existe uma norma declarada a respeito do Natal, portanto, não há dogmas. As obras kardecistas não fazem menção à data e os espíritas a celebram como julgarem apropriado. “Amor e união” são os verdadeiros significados doNatal. Esses valores estão intimamente ligados à doutrina espírita.

Para os praticantes da religião do Hinduísmo, existe o Diwalli (Festa das Luzes) uma das mais importantes festas hindus, que dura cinco dias, e tem basicamente o mesmo significado do Natal cristão. Durante o Diwali, celebrado entre as famílias uma vez ao ano, as pessoas estreiam roupas novas, dividem doces e lançam fogos de artifício.

A influência cristã decorrente das festividades natalinas acaba contagiando o mundo inteiro, conceitos como paz, igualdade e justiça são destacados a partir da figura de Jesus que nasceu e viveu como um ser humano, demonstrando a possibilidade de uma vida de paz e justiça para todos.

Feliz Natal para todos.

Autor: Cícero Bezerra é coordenador do curso de Teologia Bíblica Interconfessional do Centro Universitário Internacional Uninter.

 


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:








Anuncie Aqui
AS MAIS LIDAS

   IOLANDA HRUSCHKA
 
  GILBERTO LUIZ VASELIK
 
  Interdição de ponte no Rio Molha
 
   JOANIR NOGUEIRA
 
  Curso do MPSC sobre Infrequência Escolar tem mais de 770 inscritos em um mês
O curso a distância "Infrequência escolar e o Programa APOIA do MPSC" é gratuito e está disponível para qualquer pessoa que se interesse sobre o tema.
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
42575416 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2019 Jornal Evolução
by SAMUCA