Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo

Mafra já registrou mais de 40 casos de acidentes com animais peçonhentos este ano

Acidentes com aranha-marrom e aranha armadeira são os mais comuns em ambientes domésticos. Planalto Norte possui clima mais propício para proliferação destes aracnídeos

Sexta, 13 de abril de 2018 10:13

 

  Clique para ampliar
 

Dor, sensação de queimadura, inchaço, vermelhidão, mancha roxa, bolhas e necrose. Esses são sintomas que a pessoa picada por aranha-marrom pode sentir após algumas horas. Em Mafra, a Vigilância Epidemiológica da Prefeitura alerta para os cuidados que a população deve tomar, a fim de evitar acidentes com aranhas e outros animais peçonhentos. “Os acidentes por animais peçonhentos são considerados um problema de saúde pública no Brasil, em virtude do elevado número de pessoas envolvidas anualmente, e também pela gravidade e complicações que podem apresentar”, explicou a enfermeira Francesli Pereira, da Vigilância Epidemiológica.

 

Dados

Segundo dados do SINAN/SC (Sistema de Notificação de Agravos de Santa Catarina), até o dia 03 de abril foram registradas 48 notificações de acidentes com animais peçonhentos incluindo aranhas (marrom ou armadeira) pelas unidades de saúde, Unidade de Pronto Atendimento e Hospital em Mafra. Em 2017 foram 212 e em 2016 chegou a 289 casos. Outro dado do relatório que chama atenção é que de 2007 a 2017 houve 9938 acidentes com aranha no Planalto Norte, o maior índice dentre as 16 regiões da saúde do Estado.

Com relação às picadas de aranhas existe uma preocupação em Santa Catarina de duas espécies: acidente por aranha do gênero Phoneutria “aranha armadeira” e Loxoceles “aranha marron”.  As duas tem comportamentos diferentes, bem como consequências distintas após a picada.  

 

Aranha armadeira

O comportamento da aranha armadeira é de defesa, apoiando-se nas patas traseiras e procura picar. Pode atingir de 3 a 4cm de corpo e até 15cm de envergadura de pernas. São muito agressivas com hábitos vespertinos e noturnos. São encontradas em bananeiras, folhagens, entre madeira e pedras empilhadas e no interior de residências. “Os acidentes são frequentes dentro de residências e nas suas proximidades, ao se manusear material de construção, entulhos, lenha ou calçando sapatos. Acidentes são mais observados em abril e maio (época de acasalamento) e raramente levam a quadro grave”, pontuou a enfermeira. Ela também falou quanto aos sintomas da picada. “A dor imediata é observada em mais de 90% dos casos, às vezes insuportável (dor excruciante), podendo se irradiar até a raiz do membro acometido”. Pode apresentar ainda edema não endurado, eritema, sudorese local, parestesia e a marca dos dois pontos de inoculação.

 

Aranha marrom

Já o acidente por aranha marrom é mais conhecido devido a sua picada necrosante. A aranha marrom tem hábitos noturnos. Aloja-se geralmente em locais quentes e secos: atrás de quadros, móveis, cortinas e rodapés, nas frestas em geral, sótãos e porões, em roupas penduradas, roupas de cama e banho e em locais poucos frequentados ou empoeirados. A técnica do Programa de Endemias da Vigilância Epidemiológica, Francieli Marx Köene, que também é bióloga, fez a seguinte observação: “para capturar presas e depositar seus ovos, a aranha marrom constrói teias irregulares, com aspecto de algodão esfiapado. Não é agressiva, picando somente quando se sente ameaçada ao ser pressionada contra o corpo da vítima, por exemplo”. Vale destacar que a picada da aranha marrom pode ser praticamente imperceptível, o que dificulta a identificação das circunstâncias do acidente. “Raramente a picada da aranha marrom forma lesão imediata. Os sintomas evoluem lentamente e nas primeiras horas lembram picada de inseto”. Depois de 12 a 14 horas ocorre um inchaço acompanhado de vermelhidão na região (edema e eritema, respectivamente), que pode ou não coçar. Também pode ocorrer escurecimento da urina e febre.

De acordo com a Francieli, a preocupação é com a evolução do quadro. “Em 99% dos casos, há dor em queimação, edema endurado e eritema no local da picada. Os sintomas se acentuam entre 24 e 72 horas após o acidente”.

 

Como prevenir o acidente

Os cuidados para evitar acidentes com aranha-marrom devem ser redobrados nos meses de chuva, pois as aranhas gostam de locais secos se refugiando dentro das residências. "A melhor forma de prevenção é a limpeza frequente das casas, nos locais onde a aranha costuma se esconder", aconselharam Francesli e Francieli. Além disso, é importante seguir algumas dicas:

- observar roupas e calçados antes de vesti-los;

- vistoriar roupas de cama e banho;

- fazer limpeza periódica atrás de quadros e objetos pendurados; manter os ambientes ventilados; eliminar teias;

- evitar o acúmulo de materiais de construção e vedar frestas ou buracos nas paredes.

- não guardar objetos embaixo da cama;

- afastar as camas das paredes;

- manusear com cuidado telhas e tijolos acumulados.

Em caso de picada

- lavar o local apenas com água e sabão;

- levar a pessoa à unidade de saúde mais próxima ou à UPA;

- a pessoa deve beber bastante água;

- não colocar substâncias no local da picada.

O Estado de Santa Catarina mantém um plantão de informações 24 horas - o CIT (Centro de Informações Toxicológicas) pelo telefone 0800 643 52 52. O e-mail é citsc@saude.sc.gov.br / www.cit.sc.gov.br


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:










AS MAIS LIDAS

  A civilidade e o respeito perdidos
 
  Fim de semana com atrações especiais na Osterpark em Jaraguá do Sul
 
  Sancionada Lei que transfere feriado de 25 de Julho de 2019
 
  Cuidemos da vinha do Senhor
 
  Carnês do IPTU podem ser retirados pela internet
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
43541686 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2019 Jornal Evolução
by SAMUCA