Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo

Padre Mário Glaab é eleito Administrador Diocesano da Diocese de União da Vitória



Segunda, 12 de fevereiro de 2018 16:41

 Clique para ampliar
Padre Mário Fernando Glaab. (Foto na Matriz N. Sr.ª de Fátima , em União da Vitória).
 

Com a morte do bispo diocesano, Dom Agenor Girardi, no dia 08 de fevereiro, o governo da diocese de União da Vitória passa a ser conduzido por um padre, eleito como Administrador Diocesano. 

Na manhã desta segunda-feira, 12, o Colégio dos Consultores (grupo de padres da Diocese) se reuniram para tratar da eleição do Administrador Diocesano, que conduzirá os trabalhos da Diocese até a chegada de um novo bispo. 

Escolhido por votação, o Colégio elegeu padre Mário Fernando Glaab como Administrador Diocesano da Diocese de União da Vitória.

Padre Mário tem 61 anos de idade e 33 anos de padre. Natural da cidade Porto Vitória- PR, atualmente é Diretor do Instituto de Filosofia e Teologia Santo Alberto Magno, do Seminário Diocesano Rainha das Missões, em União da Vitória e assessor diocesano para o Ecumenismo.

Padre Mário dando abertura a Aula Inaugural do Instituto em 2017.

Trabalhou em várias paróquias de União da Vitória como: Catedral, Nossa Senhora de Fátima, Nossa Senhora do Rocio, Nossa Senhora das Dores; atuou em Porto Vitória, na paróquia São Miguel Arcanjo; em Paula Freitas, na paróquia São Carlos Borromeu, e em São Mateus do Sul, na paróquia Nossa Senhora do Perpétuo Socorro.

Licenciado em Teologia Dogmática, pela Universidade Santo Tomás de Aquino (Angelicum), em Roma, padre Mário além de coordenar o Instituto, leciona na Teologia nas áreas de: Mariologia, Ecumenismo, Teologia Fundamental, e Sacramentos. E no curso de Filosofia é professor nas áreas da Antropologia Filosófica, Lógica e Problemas Cosmológicos. Todo ano na Diocese padre Mário coordena a assessoria da aula inaugural do Instituto e a Semana Teológica para o Clero. 

O Administrador Diocesano:

O Administrador Diocesano tem os mesmos poderes e obrigações do bispo diocesano, em tudo o que não for próprio da natureza e do caráter do bispo, não podendo por exemplo ordenar um diácono ou padre, isso porque, para a ordenação requer-se caráter episcopal.

 O administrador diocesano deve residir dentro do território da diocese e seu governo cessará com a posse do novo bispo. Quanto ao tempo de governo, este durará quanto for preciso para que se providencie um novo bispo para a sede vacante.

Com a morte, transferência ou renúncia de um bispo, a Diocese fica como Sé Vacante. Nesses casos, o grupo de padres que quando tem o bispo na Diocese é chamado de Conselho Presbiteral, passa a ser, sem o bispo, Colégio dos Consultores.

Na falta do bispo em uma diocese, pelo Direito Canônico, (Código de Leis da Igreja), o Colégio tem oito dias, após a vacância da diocese, para se reunir e eleger o administrador diocesano. Caso não o faça dentro desse prazo, caberá ao arcebispo metropolitano escolher. Se tratando da própria sede metropolitana, caberá ao sufragâneo mais antigo pela promoção, e não por idade, fazer tal escolha.

Sem a presença de um bispo na Diocese, ou seja, com a Sé Vacante, é cessado também o poder do vigário geral e do vigário episcopal.

Em todo o período da vacância é mais do que indicado que todos os fiéis rezem por aquele que virá como novo bispo, mesmo ainda sem tê-lo definido, pois é importante que a Igreja em Particular (Diocese) reze pelo seu novo e futuro pastor.

Como procede a eleição de um novo bispo?

                                                                                                 Imagem Divulgação.

O Bispo é o grau máximo do Sacramento da Ordem (recebido pelos diáconos, padres e Bispos), e são os sucessores dos Apóstolos, tendo o papa à frente.

Ao menos de três em três anos, os bispos das Províncias Eclesiásticas, e as Conferências Episcopais, em deliberação comum e secretamente, devem organizar um elenco de padres, mesmo de Institutos de Vida Consagrada, que sejam mais aptos para o Episcopado, e enviar à Sé Apostólica, mantendo-se ainda o direito de cada bispo indicar individualmente à Sé Apostólica os nomes de presbíteros que julgue ser idôneos para o ministério episcopal.

O Processo de seleção de um bispo demora de 9 meses até 2 anos.

Para ser escolhido bispo, o padre deve estar dentro de algumas regras:

 Tenha fé firme, piedade, zelo das almas, sabedoria, prudência, eminente em virtudes humanas e dotado das demais qualidades para que possa estar apto a desempenhar o ofício.

 tenha boa reputação.

 tenha ao menos 35 anos de idade

 seja padre há mais de cinco anos

 tenha adquirido grau de doutor ou ao menos a licenciatura em Sagrada Escritura, teologia ou Direito Canônico

No processo de escolha e eleição de um novo bispo, tudo transcorre no mais alto sigilo. O Núncio Apostólico, representante do papa nos países, envia carta àquele que é escolhido e uma cópia ao metropolita da região, comunicando da nomeação. Após o eleito dando resposta positiva da aceitação, é marcada a posse para a Diocese onde assumirá, e é divulgado a nomeação através do site da Santa Sé e da Conferência Episcopal do país correspondente.

O Código de Direito Canônico determina que a ordenação de bispo do padre eleito, ocorra em 3 meses após o recebimento da Carta da Nunciatura.

Quem nomeia o novo bispo para uma diocese ou confirma os legitimamente eleitos é sempre o Papa. As nomeações de novos bispos são anunciadas publicamente pelo Papa na sala Paulo VI no Vaticano, publicadas no jornal do Vaticano e no site das Conferência Episcopais de cada país, no Brasil (CNBB).

Hierarquia da Igreja:

Diácono: Prega o evangelho, batiza e celebra o matrimônio. Há o diácono transitório (pretende tornar-se padre) e o permanente (pode ser casado).

Padre: Prega o evangelho, administra os sacramentos e governa a paróquia.

Bispo: Tem a missão de pregar o evangelho, administrar os sacramentos e governar a diocese.

Arcebispo: Referência de unidade regional da Igreja.

Cardeal: Assessor mais direto do papa. Eles são escolhidos pessoalmente pelo Santo Padre. Para ser cardeal, é obrigatório ser bispo ou arcebispo.

Papa: Sucessor do apóstolo Pedro e referência em toda a igreja.


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:










AS MAIS LIDAS

  Bolshoi de Joinville divulga lista de aprovados na seleção nacional
 
  Aplicação de provas terá quatro fusos horários diferentes
 
  Precisamos cuidar do outro que está ao nosso lado
 
  SANTO DO DIA:São João Paulo II
 
  Mesários já podem obter Declaração de Participação
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
38103339 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2018 Jornal Evolução
by SAMUCA