Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo
Padre Antônio Taliari (padretaliari@gmail.com)

Padre Antônio Taliari

Jornalista (DRT 3847/SC)

Missionário em Rondônia, estudando em Curitiba/PR


‌Dom 11 de fevereiro de 2018 6º Domingo do Tempo Comum



Domingo, 11 de fevereiro de 2018 08:31

 Clique para ampliar
 

MENSAGEM DO EVANGELHO

        Neste, 6º Domingo do Tempo Comum, o Evangelho de Marcos
1,40-45, depois de exorcismos diante de pessoas que se achavam
possuídas por demônios e de curar doentes, Jesus vai realizar um
milagre em favor de um leproso, um excluído em todos os sentidos: da
casa, da Sinagoga, do convívio social. Mais do que curar, Jesus
reintegra esse homem na vida comunitária. A narração não diz o nome do
leproso, nem o lugar, nem o tempo em que foi curado. Nas sociedades
antigas, a lepra vinha acompanhada pela morte social e religiosa. O
leproso era excluído da sociedade e do culto: era um morto vivo. Devia
observar uma única lei: proclamar o seu mal para que ninguém se
aproximasse dele. É a atitude de humildade mais humana que existe:
cair de joelhos. E este gesto somente deve ser exercido diante de
Deus. Mover-se de compaixão é mais do que misericórdia, coração: são
as entranhas que se comovem; é todo o ser, rins, pulmões, fígado e
coração. Este sentimento de compaixão é reservado em Marcos e Mateus,
somente para Jesus. As profecias previam esta atitude do Messias que
viria: ele teria compaixão das misérias do seu povo! É uma decisão
firme de Jesus, pois curar um leproso é como ressuscitar um morto: só
Deus é capaz de realizar tal prodígio. A lei fazia separações: puro e
impuro, bem e mal, justos e pecadores. Com isso criava divisões,
segregações e exclusões. A Lei é impotente. Jesus é aquele que
integra, une, supera as divisões. É o que os biblistas chamam de
‘segredo messiânico’ do Evangelho de Marcos. Jesus proíbe a divulgação
dos fatos que realiza para não atrapalhar seu projeto salvífico e para
não ser reconhecido como um milagreiro. Somente depois de sua Paixão,
Morte e Ressurreição é que aquilo que Ele fez deverá ser anunciado por
todos os lugares. Há um contraste entre a função do sacerdote que se
limitava a constatar a cura, e a ação de Jesus que cura e purifica.
Isso demonstra a eficácia da palavra de Jesus em oposição à ineficácia
da Lei que excluía. A Lei prescrevia a oferta que o leproso curado
devia oferecer. Jesus o envia aos sacerdotes para que sirva de
testemunho para aqueles que se apegavam unicamente à letra da Lei.
Esta ordem de Jesus não foi obedecida por ninguém: não contar os
sinais e milagres que Ele realiza. É preciso colocar-se na situação
destas pessoas que viviam excluídas e marginalizadas: alguém se
lembrou delas, teve compaixão. Não há quem consiga guardar este
segredo e não dizer a todos que Deus está do seu lado! A cura do
leproso volta-se contra Jesus fazendo o efeito contrário. Ele não
podia mais entrar na cidade e sair livremente, tinha que ficar do lado
de fora, em lugares desertos. Jesus se vê condenado à situação em que
estava o leproso que ele tocou. É consequência da sua paixão por nós:
tocando-nos, tomou sobre si os nossos males. Quando Jesus se retira,
impuro, banido e marcado para morrer como o leprosos, todos vão ao seu
encontro. O vértice dessa ‘lei da ação divina’ se manifestará na cruz,
quando Jesus, levantará como um maldito, atrairá todos a Si e os
salvará. O leproso curado simboliza a passagem do homem velho, que a
lei relega à morte, ao homem novo, que anuncia a ‘boa notícia’. Se a
sogra de Pedro foi a primeira ‘escriba’, o leproso foi o primeiro
‘apóstolo’, o primeiro enviado. Simboliza a pessoa batizada, que, como
Naamã, o sírio, sai do Jordão com a pele limpa como a de um
recém-nascido. O leproso curado torna-se o primeiro apóstolo, enviado.
Jesus o envia ao Templo de Jerusalém para anunciar a Boa Notícia. Ele
é anuncio vivo do Evangelho, testemunha viva do Reino de Deus. O
segundo apóstolo será o ex-endemoniado: ao invés de evangelizar os
judeus, no Templo de Jerusalém, ele vai evangelizar os pagãos. Fica um
questionamento para nós: quem são os ‘leprosos’ desta sociedade
excludente e que marginaliza tantos irmãos e irmãs nossos?

Seja fiel, ofereça o Dízimo!

 


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:










AS MAIS LIDAS

  Bolshoi de Joinville divulga lista de aprovados na seleção nacional
 
  Aplicação de provas terá quatro fusos horários diferentes
 
  Precisamos cuidar do outro que está ao nosso lado
 
  SANTO DO DIA:São João Paulo II
 
  Mesários já podem obter Declaração de Participação
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
38104030 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2018 Jornal Evolução
by SAMUCA