Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo

União paga R$ 75 milhões para retomar imóvel cedido no Império entre Porto União e Foz do Iguaçu



Sexta, 11 de agosto de 2017 00:00

Quando o governo brasileiro cede imóvel para determinados fins, a negociação deixa de ter validade se o acordo é descumprido. Assim entendeu a 3ª Turma do Tribunal Regional Federal da 4ª Região como propriedade da União uma fazenda no município de Quedas do Iguaçu (PR) emprestada para a construção de uma ferrovia nunca construída. O colegiado, entretanto, definiu que os antigos proprietários devem ficar com R$ 75 milhões pelas benfeitorias, já recebidos em acordo.

O caso teve início em 1889, quando um decreto imperial, às vésperas da proclamação da República, transferiu terreno de 63 mil hectares para a Companhia Estrada de Ferro construir o ramal ferroviário entre Porto União e Foz do Iguaçu. Como a obra não foi feita, o governo Getúlio Vargas declarou, em 1931, a caducidade das concessões, retornando o patrimônio ao poder público federal.

A área, porém, acabou sendo vendida a terceiros, até que em 2004 o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) entrou com ação na Justiça e conseguiu, em primeiro grau, declaração de domínio da União. A empresa que se considerava proprietária recorreu, mas o TRF-4 manteve o entendimento.

O juiz federal convocado Eduardo Philippsen disse que a União não adotou nenhuma medida para retomar o terreno após o decreto de 1931. Diante da desídia, declarou que não poderia agora requerer o imóvel e prejudicar terceiros que o compraram de boa-fé. Prevaleceu, no entanto, voto da desembargadora federal Marga Inge Barth Tessler, que considerou nulos os títulos posteriores à transferência da área para a União. 

A relatora do acórdão afirmou que o Incra e a empresa já haviam negociado R$ 75 milhões pelas benfeitorias do imóvel. A sentença determinou que a ré devolvesse o valor à União, mas a desembargadora reformou esse trecho. Também fixou honorários advocatícios de R$ 80 mil para os procuradores que atuaram em favor do Incra. Com informações da Assessoria de Imprensa do TRF-4.

5001019-79.2016.4.04.7005


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:








Anuncie Aqui


AS MAIS LIDAS
Os Guardas do TAJ
 
Dom 21 de janeiro de 2018 - 3º Domingo do Tempo Comum
 
VAGAS DISPONÍVEIS, Sine de Rio Negrinho
 
5 bilionários brasileiros concentram mesma riqueza que metade mais pobre no país, diz estudo
 
NOTA DE FALECIMENTO - DALTIVA DOS SANTOS
 
AFRONTA À CULTURA
 
IPRECAL abre concurso público
 
Obras de pavimentação na rua Amando Rudnick iniciam
 
CÉLIO TELMA
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
30319522 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2018 Jornal Evolução
by SAMUCA