Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


Avisos Paroquiais Igreja Matriz     Charge     Comunicados     Economia     Educação     Eleições 2016     Emprego     Entrevista     Especial     Esporte     Eventos     Fotos de São Bento do Sul     Geral     Investimentos     Justiça     Legislação     LUTO     Obituário     Obras     Olimpíada Rio 2016     Opinião     Polícia     Política     Reflexões     Religião     Saúde     Segurança     Social     Solidariedade     Tragédias     Turismo     Últimas notícias
 
 
Indique para um amigo

Escolha, analise e mudança. Especialista aponta o que é preciso levar em consideração para ter uma c



Quinta, 10 de agosto de 2017 16:23

 

Vocação, do latim “vocare”, significa “chamar”. É a tendência que leva uma pessoa a exercer uma determinada profissão. Já a palavra carreira, vem de “carraria”, estrada rústica ou uma trilha. Idealmente, se essas duas palavras andassem lado a lado no momento da escolha, seria um sinal que o caminho escolhido levou a realização plena.

Mas são poucos que conseguem desenhar em suas vidas esse cenário ideal. Por isso, a decisão deve ser amplamente analisada. De acordo com Beatriz Nóbrega, psicóloga e coach, que atua há mais de 19 anos na Área de Recursos Humanos, mesmo com muita pesquisa, há quem ainda sofra com a dúvida. “ Para se livrar deste dilema, é necessário fazer as seguintes perguntas: a carreira escolhida dá significado à minha vida? Me faz me sentir mais completo? Dá oportunidade constante de aprendizado e crescimento? Traz ou trará realização profissional e pessoal? Ajuda a mudar meu estado emocional e ser, com mais frequência, mais positivo? “, destaca

Ao longo de 19 anos de experiência como executiva de Recursos Humanos e três anos atuando como Coach Profissional, Bia acredita que a medida é a realização profissional e a satisfação pessoal que a carreira escolhida oferece. “Se a resposta for sim para as questões acima, significa que a escolha foi assertiva. Mas se o não predominou, é um indicativo de que algumas questões devem ser revistas”, aponta Beatriz.

Caso a carreira tenha sido escolhida com base no autoconhecimento, e não simplesmente por “herança” (profissão dos ascendentes – pais ou avós) ou de forma aleatória (porque um vizinho tinha uma vaga na empresa naquela área), há grande chance de o descontentamento estar associado à dissonância de valores, o que é importante para a pessoa não é o que é importante naquele trabalho. “Se for o caso, é completamente possível encontrar um outro projeto ou empresa que tenha maior aderência e assim voltar-se a se interessar pela carreira”, indica a coach.

Mas se a decisão for pela mudança, Bia recomenda que esse movimento seja bem pensado, planejado e organizado. “ Converse com quem passou pelo mesmo desafio que você. Colha dicas e desenhe como será o seu caminho. Se tiver que investir em qualificação, leve em consideração o tempo e dinheiro que serão necessários e como isto impactará o seu orçamento doméstico”, aconselha a coach.

Outro ponto importante que a especialista em RH e gestão de pessoas chama atenção é em relação ao medo que as pessoas têm em mudar devido à idade. Cabe uma análise de quais novas carreiras usarão as forças que desenvolveu e que estarão abertas a profissionais maduros, mas inexperientes. “Não há limite neste sentido. Em 2013, fiz intercâmbio com duas profissionais uma francesa e uma sueca que estavam se preparando para novos desafios profissionais em outros países, a primeira com 56 e a segunda com 54 anos e esta será cada vez mais a nova realidade brasileira, afinal, estamos vivendo mais e teremos duas ou até três carreiras”, conclui.


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:













Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
28275604 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Últimas notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2017 Jornal Evolução
by SAMUCA