Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo
Luiz Carlos Amorim - Florianópolis/SC

Fundaador e Presidente do Grupo Literário A ILHA em SC, que completa 39 anos de atividades literárias e culturais neste ano de 2019 . Cadeira 19 da Academia Sulbrasileira de Letras. Mora atualmente em Lisboa.

 

Editor das Edições A ILHA, que publicam as revistas SUPLEMENTO LITERÁRIO A ILHA,  MIRANDUM (Confraria de Quintana) e ESCRITORES DO BRASIL, além de mais de 50 cem títulos livros de vários géneros, antologias e edições solo.

 

Editor de conteúdo do portal PROSA, POESIA & CIA., do Grupo Literário A ILHA.

 

Autor de 32 livros de crônicas, contos,  poemas, infanto-juvenil, história da literatura, três deles publicados no exterior, em inglês, francês, italiano e inglês, além de poemas publicados em outros países como India, Rússia, Espanha, Grécia, etc.

 

Colaborador de revistas e jornais no Brasil e exterior – tem trabalhos publicados na Índia, Rússia, Grécia, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Cuba, Argentina, Uruguai, Inglaterra, Espanha, Itália, Cabo Verde e outros, e obras traduzidas para o inglês, espanhol, bengalês, grego, russo, italiano, francês, alemão.

 

Colaborador em vários portais de informação e cultura na Internet, como Rio Total, Telescópio, Cronópios, Alla de Cuervo, Usina de Letras, etc.

 


Fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA, com 38 anos de trajetória, Cadeira 19 da Academia S



Segunda, 25 de fevereiro de 2019 16:25

 

Clique para ampliar
 

O Projeto Floripa Letrada consiste em estantes nos terminais de ônibus, onde são disponibilizados livros, revistas e apostilas. A proposta é que os usuários dos ônibus urbanos levem os livros para ler e depois devolvam, para que outras pessoas possam fazer o mesmo, mas aqueles que devolvem são muito, muito poucos.

Ele existe e persiste graças a doações de empresas e pessoas físicas e, como disse acima, nos últimos anos o forte do que é oferecido nas estantes são as apostilas didáticas ou técnicas, novas ou usadas. Algumas defasadas, mas outras em perfeito estado para serem usadas. Pela quantidade de apostilas que o projeto oferece, muita apostila a mais, paga com dinheiro público, foi impressa. Eu mesmo peguei uma apostila de inglês e a maioria delas é novinha em folha. Por que será que não foram para a sala de aula?

Mas há algum tempo atrás, encontramos livros literários mais frequentemente e em maior quantidade nas estantes do Floripa Letrada. Livros antigos, mas obras importantes de autores consagrados, como Mário de Andrade, Monteiro Lobato, Oswald de Andrade, Manuel Bandeira, Vinícius de Moraes, Pedro Bandeira, Salim Miguel, Sérgio da Costa Ramos, Pedro Block, Dostoievski e tantos outros.

Pelo carimbo que tem em todos os livros, ficamos sabendo que os livros eram da biblioteca de um grande colégio da capital, tradicional e ainda elitista. É interessante que no tal carimbo consta o nome do colégio e a esclarecedora observação: “Baixa de acervo”.

Acho ótimo que disponibilizem obras de qualidade para a leitura dos usuários do transporte público, pois temos a oportunidade de ler bons livros sem ter que pagar nada, mas fico pensando aqui com meus botões: a boa literatura fica velha?  Nunca vi uma escola se desfazer do acervo de sua biblioteca assim, descartando todos os livros publicados há mais de duas décadas, como se não servissem mais para os seus alunos, como se estivessem completamente defasados para leitura.

Já vi, infelizmente, uma escola de uma cidade vizinha jogar fora – jogar no lixo, mesmo -, livros didáticos novos. O diretor foi despedido. Mas descartar livros de uma biblioteca por serem velhos, é novidade. O livro pode até ficar velho, mas a obra, não. Será que a escola só queria abrir espaço, nas suas dependências, para outra atividade? Eu poderia dizer que fizeram bem, porque os livros seriam lidos novamente por vários leitores, cada um daqueles volumes descartados, mas como mencionei acima, o propósito de ler e devolver ao projeto Floripa Letrada não é cumprido. Então os estudantes que se renovam a cada ano, na escola que cedeu os livros, poderiam ler e recriar a escritura de tantos autores muito mais vezes. De qualquer maneira, eles terão, espero, livros mais contemporâneos para ler. E nós, cá de fora, ficamos pasmos com a desvalorização de obras literárias importantes justamente por quem deveria zelar por elas, possibilitar que fossem lidas. Tempos bicudos. Espero que, pelo menos, os livros “velhos” tenham sobre-vida, sejam lidos pelo menos mais uma vez.

 

 


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:










AS MAIS LIDAS

  Seguir Jesus exige renúncia
 
  Comunicado transito de São Bento do Sul
 
  Dia do imigrante: trabalho e inclusão financeira
 
  SANTO DO DIA:Solenidade do Nascimento de João Batista
 
  Quartas de final do Campeonato Municipal de Futebol Society
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
46140390 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2019 Jornal Evolução
by SAMUCA