Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo
Luiz Carlos Amorim - Florianópolis/SC

Coordenador do Grupo Literário A ILHA em SC, com 30 anos de atividades.

Editor das Edições A ILHA, que publicam as revistas Suplemento LIterário A ILHA e Mirandum (Confraria de Quintana), além de mais de 50 livros.

Editor de conteúdo do portal PROSA, POESIA & CIA.

Autor de 26 livros de crônicas, contos e poemas, três deles publicados no exterior.

Colaborador de revistas e jornais no Brasil e exterior – tem trabalhos publicados na Índia, Rússia, Grécia, Estados Unidos, Portugal, Espanha, Cuba, Argentina, Uruguai, Inglaterra, Espanha, Itália, Cabo Verde e outros, e obras traduzidas para o inglês, espanhol, bengalês, grego, russo, italiano,

Colaborador em vários portais de informação e cultura na Internet, como Rio Total, Telescópio, Cronópios, Alla de Cuervo, Usina de Letras, etc.


RUA DAS PRETAS, MÚSICA DO MUNDO AO PÉ DO OUVIDO



Segunda, 21 de janeiro de 2019 11:47

 

Clique para ampliar
 Por Luiz Carlos Amorim – Escritor, editor e revisor, Cadeira 19 na Academia SulBrasileira de Letras – Fundador e presidente do Grupo Literário A ILHA, com 38 anos de trajetória. http://lcamorim.blogspot.com.brhttp://www.prosapoesiaecia.xpg.uol.com.br

Pierre Aderne é cantor, compositor, produtor, apresentador, poeta (escritor, na verdade, porque ele não escreve só poemas, ele é ótimo cronista, também). E ele é um grande divulgador da música brasileira, mas não só: da música brasileira, da música portuguesa, da música caboverdiana, americana, da música como um todo, enfim, da musica mundial. Ele sempre fez tertúlias musicais, saraus na imtimidade da sua casa, reunindo cantores e compositores, desde que morava no Brasil. E continuou a fazer isso depois que mudou-se para Portugal, levando o conceito para outros países, como Polônia, Estados Unidos, Japão, França, Espanha.

Esse conceito novo, que não é tão novo, mas foi valorizado e renovado por Pierre, de reunir cantores de nacionalidades diversas, para cantar, tocar e ouvir músicas no aconchego de casa, com muito vinho e boa comida, uma verdadeira confraria de amigos da música, consagrou-se como a marca registrada de um novo tipo de espetáculo. Pierre o chamou de RUA DAS PRETAS, depois de morar por alguns anos na Rua das Pretas, uma transversal da Avenida da Liberdade, em Lisboa. Ele recebia lá cantores brasileiros, portugueses, caboverdianos, americanos, ingleses, franceses, etc. e a casa ficou pequena. Então a RUA DAS PRETAS foi para um espaço maior, para poder receber amantes da boa música que gostariam de fazer parte da tertúlia, como espectadores. Como se a gente recebesse cantores para atuarem ao vivo na sala da nossa casa.  E deu certo. A tertúlia de Pierre já faz parte do calendário de espetáculos de Lisboa e está no roteiro de turistas de todo o mundo que vão lá para ouvir boa música: música brasileira, música portuguesa – não falta o fado – e música de todo o mundo.

Como disse André, do Expresso de Lisboa, “o desafio é entrar num palacete em pleno Príncipe Real, bairro nobre de Llisboa, receber um copo, conhecer pessoas novas e ouvir musica ao vivo, sem microfone, sem caixas de som. Pierre Aderne e Daniela Cristina são os anfitriões, mas com ele estarão, certamente, músicos de qualquer parte do mundo ou da cidade. É ali, no Palácio do Príncipe Real, que Pierre recebe os seus convidados que, mal entram e sobem os degraus que os leva à sala com lareira, recebem um copo. O vinho ajuda a contar a história. E assim, além dos músicos, dos artistas e dos escritores, também os produtores de vinho começaram a frequentar a Rua das Pretas. O projeto é uma festa de música e vinho. Não é um show, mas uma festa que se faz em casa. É um formato que promove a intimidade.”

É um projeto de sucesso e já tem, até, seguidores. Já há projetos que copiam o formato. Mas o orginal, mesmo, é RUA DAS PRETAS. Pela tertúlia já passaram mais de 140 artistas portugueses e estrangeiros, mais de quatro mil pessoas já assistiram o espetáculo intimista ao vivo e já foram abertas cerca de duas mil garrafas de vinho. Só no período em que ele está sendo levado no Palácio do Príncipe Real, coisa de quase dois anos.

Recentemente, foi lançado o CD RUA DAS PRETAS – Wine álbum, também um conceito novo que Pierre já havia usado com o seu disco “Bem me quer, Mar me quer”, quando uma garrafa de vinho que tinha o mesmo nome que dava o título ao disco, acompanhava o CD. A novidade é que, desta vez, ao invés do CD, vai haver novidade para ter as músicas do CD. Reunindo cantores que, é claro, já passaram pela tertúlia, o álbum é vendido nas grandes lojas, mas é oferecido, também e principalmente, em garrafeiras, wine bars e restaurantes, vendido com uma garrafa de vinho, produzido especialmente por uma grande marca de vinho portutuesa, Niepoort, parceira do projeto.

RUA DAS PRETAS, o projeto de tertúlia musical de Pierre Aderne que une música, vinho e a integração intimista de cantores e amantes da boa música, é um sucesso praticamente no mundo todo.

 


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:










AS MAIS LIDAS

   ALVINO ZEITHAMENN
 
  Klabin anuncia o maior investimento da sua história
Com aporte estimado em R$ 9,1 bilhões, empresa aprova o Projeto Puma II, que contempla a construção de duas máquinas de papel no Paraná
 
  Amar é colocar-se aos pés do próximo
 
  Campanha do MPSC ganha destaque no Campeonato Catarinense de Futebol
 
  Espaços culturais têm horários especiais na Semana Santa
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
44358234 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2019 Jornal Evolução
by SAMUCA