Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo
Sentimentos - Fernando Coimbra dos Santos (passageirodachuva@gmail.com)

Caipira de Taubaté, Caiçara de Ubatuba

Ex-policial civil que não se embruteceu com a vida.

PhD em Solidão.

 


Flamboyant Florido cap XXVIII



Quarta, 31 de outubro de 2018 17:06

(continuação)

XXVIII

O ancião pegou o sax com a mesma reverência e encantamento com que Gabriel vira o músico negro pegá-lo há tanto tempo atrás.

Como da outra vez, Gabriel sentiu um aperto em seu coração quando o ancião levou o instrumento à boca, umedeceu a boquilha e a segurou entre os dentes, seu peito inflou quando puxou o ar.

Mas quando seus dedos percorreram as chaves e ele soprou, o sopro transformou-se num som melodioso. Fechou os olhos e soprou outra vez. O mesmo resultado saiu do instrumento.

E então ele começou realmente a tocar.

De início como se forçado, um ritmo vacilante e titubeante, quase irreal.

Aos poucos, entretanto, a música que também trazia em sua alma e coração, em seus olhos, como se fosse uma lágrima há muito guardada e que finalmente escapasse livre, correu lentamente por sua face, se transmutou em sons e o blues escorreu por todo o Flamboyant Florido.

Gabriel ficou em silêncio ouvindo-o. Olhos fechados, mesmo preso à cadeira de rodas, seu torso gingava, como se ele bailasse com o instrumento, exatamente como Gabriel vira um músico tocar um dia, esquecido de tudo e de todos.

Terminou a melodia, continuou de olhos fechados, como se quisesse que aquele momento mágico nunca mais terminasse, que durasse eternamente para todo o sempre.

Abriu os olhos, acariciou amorosamente o instrumento, como se não acreditasse no que acontecera. Então apontou com dedos trêmulos para a fotografia.

- Quem é ele, Gabriel?

Gabriel aproximou-se, afagou a fotografia com ternura.

- Foi um bom amigo. Como disse, eu o ajudei a sonhar este sonho. Mas, na verdade, ele me ajudou muito mais. Ele me deu uma razão para a minha vida.

O reconhecimento surgiu, tardio. Então perguntou com cuidado:

- Você é o dono daqui, Gabriel?

- Ah, dono é uma palavra muito inexata. Gosto de pensar que sou o privilegiado daqui. Sei que muitos me consideram assim, mas não sou dono de nada. Como disse, apenas ajudei a sonhar este sonho. Aqui somos todos uma família, e eu me empenho para que seja realmente assim. Eu não sou importante, importante são vocês. Sem vocês, nada disso teria razão de ser. Eu não teria razão de ser...

O ancião assimilou suas palavras, suas razões, mas não era o momento apropriado para aprofundar o assunto. Então perguntou:

- E este sax? É o dele, pelo que vejo na fotografia. Gabriel... E esta foto... viu como esta foto em preto e branco tem mais alma? Como ela tem expressão, como revela sentimentos? Dá para sentir a tristeza em seu rosto, a tristeza que lhe corrói a alma...

- Você precisava tê-lo conhecido pessoalmente, você iria gostar muito dele, também. Foi uma pessoa maravilhosa. Um dia lhe contarei como tudo aconteceu. Mas, vamos? Não quero que perca o jantar.

O ancião riu.

- Vá você, Gabriel. Acho que não conseguiria me alimentar agora. Agora preciso alimentar a minha alma, meu coração. Achei que nunca iria sentir isso novamente. Meu Deus, eu estou vivo, vivo...

Apertou o sax contra o peito, como se o abraçasse. Então olhou novamente para Gabriel com o mesmo desespero, com a mesma agonia, com a mesma expectativa, com a mesma esperança.

- Gabriel... você me emprestaria este sax algumas vezes? – suplicou.

Gabriel viu-se diante de um dilema. Seu primeiro impulso foi dizer não, mas teve a consciência vergonhosa que aquilo seria um simples e imediato abandono seu ao egoísmo. Aquele instrumento lhe significava muito.

Mas, pensou, quanto ele provavelmente significaria para o ancião?

O rosto do músico negro se materializou diante de si e ele sorria.

O rosto de Sophia se materializou diante de si e ela lhe repetia as palavras que lhe dissera quando se encontraram a primeira vez e ele o queria comprar: “- Este sax não é para qualquer um”. E depois, finalmente: “- Ele é seu”.

Sem dizer nada, foi buscar o estojo, abrigou o instrumento, fechou as presilhas com um estalido alegre, colocou-o de encontro ao peito do ancião, que voltou a abraça-lo, incrédulo.

Então Gabriel sorriu, segurou os punhos da cadeira, girou-a para a porta, começou a empurrá-la, o ancião aturdido deixando-se levar.

- Vamos para casa, meu amigo, seja bem-vindo ao Flamboyant Florido.

(continua)


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:








Anuncie Aqui
AS MAIS LIDAS

  No mundo da lua
 
   EDMUNDO FROEHNER
 
  Michel Temer é preso por força-tarefa da Lava Jato; Moreira Franco é procurado
 
  Sancionada Lei que transfere feriado de 25 de Julho de 2019
 
  Fim de semana com atrações especiais na Osterpark em Jaraguá do Sul
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
43503383 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2019 Jornal Evolução
by SAMUCA