Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo
Sentimentos - Fernando Coimbra dos Santos (passageirodachuva@gmail.com)

Caipira de Taubaté, Caiçara de Ubatuba

Ex-policial civil que não se embruteceu com a vida.

PhD em Solidão.

 


Flamboyant Florido cap XXVI



Quarta, 17 de outubro de 2018 16:33

(continuação)

XXVI

Naquela tarde Dulce (agora para sempre) estava com Letícia junto ao lago, a menina corria feliz chapinhando os pezinhos na água tépida e imóvel.

Não havia uma brisa sequer, mas como inexplicavelmente às vezes acontecia, ondas oceânicas começaram a surgir inconcebivelmente na superfície do lago, ondas que se propagavam suavemente de início, e depois ondas maiores que se quebravam e batiam na margem.

Então, imprevista, surpreendente, voraz, uma grande onda surgiu do nada e arrastou a menininha para as profundezas.

Dulce gritou, atraindo a atenção de Gabriel, que correu para lá sem saber ao certo o que acontecia.

Era tarde demais.

Porque, também surpreendentemente, Dulce havia inconcebivelmente se atirado às águas revoltas e resgatara a pequenina, desmaiada. Ela jazia como uma boneca quebrada nos seus braços.

Então suas forças pareceram faltar, ela caiu pesadamente na grama fofa, mas sem largar sua preciosa menininha.

Gabriel ajoelhou-se, preocupado com Letícia que estava desmaiada.

- O que aconteceu, Dulce?

Ela temia incontrolavelmente, Gabriel não sabia se de frio ou do acontecido. Um medo horroroso transpirava de sua face retorcida.

- Não sei, Gabriel... De repente nosso lago se transformou num monstro, estava levando nossa Letícia para sempre, quase não a alcancei.

Gabriel gritou, chamou enfermeiras que acudiram com cobertores, pediu que as duas fossem levadas para o quarto e recebessem um banho quente.

Quando enfim se viu sozinho diante do lago, olhou-o com o coração tumultuado e bradou:

- O que pensa que está fazendo, meu oceano? Queria matar nossa menininha? Você, que nos trouxe tantas coisas boas, agora virou um monstro sem coração?

Gabriel, inconcebivelmente, ouviu o lago responder com suavidade:

- Não, meu amigo, não havia razão para ter medo. Nossa menininha estava sempre protegida. Mas era uma coisa que precisava acontecer.

Não me pergunte o que, esta resposta você ter que buscar com a Dulce. Então você entenderá. Vá agora. Até outra vez, meu amigo.

As águas revoltas se acalmaram, transmutando-se em águas calmas e serenas como as que um lago sempre deveria ter.

Gabriel nem se despediu, começou a correr, teve um suspiro de alívio quando se viu diante das duas, agora recuperadas. Dulce continuava extremamente pálida. Ele se abraçou à menininha, sem se dar conta conscientemente do que fazia. Ah, como aquela pequenina se tornara importante para ele.

- Estão bem? – perguntou com ansiedade.

Dulce sorriu.

- Sim, meu querido, estamos bem.

Gabriel voltou-se para uma das enfermeiras, segredou-lhe alguma coisa baixinho, ela voltou logo com uma grande barra de chocolate que ele entregou para Letícia.

- Gabriel – protestou Dulce. – Você está estragando a menina. Assim ela nem irá almoçar mais tarde.

Nervoso, ele respondeu com brusquidão:

- Então tire você o chocolate dela.

Dulce sorriu, divertida, não se deixou afetar pelo nervosismo de Gabriel. Então caiu numa risada que ecoou longe.

- Meu Deus, Gabriel. Você precisava ver a sua cara. Será que você tem sempre que ser o defensor dos fracos e oprimidos?

Confuso, ele então se deu conta do que fizera.

- Desculpe, Dulce, perdoe-me, por favor. Vocês estão bem mesmo? Acho que nunca senti tanto medo em minha vida. Não sei como isso foi acontecer.

Ela o olhou com seriedade, o sorriso morreu em seus lábios. Então, como se não soubesse ao certo o que dizer, principiou:

- Gabriel, eu também não sei o que aconteceu. De repente aquele lago se transformou num monstro. Quando dei por mim, eu estava lá dentro d’água, salvando nossa Letícia. Nem pensei no que fazia.

Sopesou devidamente o que sentia, o que tinha a dizer.

- Gabriel, eu sabia que adorava esta menina, só não sabia o quanto. Agora eu sei. O medo que senti de perdê-la me fez ter consciência disso. Ela se tornou um anjo em minha vida, trouxe um sentido para a minha vida. Se eu não fosse tão velha, se eu tivesse outras condições, eu iria embora e a levaria comigo.

Com voz sumida, quase inaudível, Gabriel perguntou:

- Iria embora, Dulce? E levaria nossa Letícia com você?

- Talvez fosse, Gabriel. Mas isso seria antes, tive também esta consciência. Agora, não iria e não irei mais, aqui é o meu lar, aqui sou feliz. Eu não me sinto mais sozinha em minha vida, meu querido. E devo isso a você. E a ela.

Gabriel soltou a respiração que mantivera presa, inconscientemente, com medo da resposta que não queria ouvir. Então entendeu as razões do lago, o seu oceano, um instrumento de Deus escrevendo certo por linhas tortas. Ou escrevendo torto por linhas certas, não o sabia mais. Deus se move por caminhos curiosos, às vezes incompreensíveis.

- Que bom, Dulce.

Não teve mais o que dizer. Sentiu-se de repente cansado, muito cansado. Então ela disse:

- Tive muitas brigas com Deus... mas ele jamais me respondeu nestas horas.

Dulce forçou um sorriso. O humor era uma forma de esconder a ferida.

Difícil era se adaptar à vida sem as pessoas que amava, como Gabriel bem o sabia. Mas ela estava apendendo a fazer isso.

Precisava se redimir com aquela senhora que ali encontrara um sentido para a sua vida. E que, de certa maneira, com certeza, o estava ajudando a demolir mais alguns tijolos do muro em que ele se encerrara.

- Quer também um chocolate, Dulce?

Ela riu, cônscia de seus sentimentos desencontrados. Olhou cúmplice para Letícia, deu-lhe uma piscadela.

- Claro que quero.

(continua)


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:










AS MAIS LIDAS

  Oficinas de plantas medicinas em São Bento do Sul iniciam temporada 2019
 
  Vagas de emprego Sine de São Bento do Sul dia 20/03
 
  Em Busca das Teclas Pretas Cap III e V
 
  São-Bentenses foram campeões da primeira etapa do Catarinense Rally Regularidade
A cidade de São Bento do Sul recepcionou cerca de 150 pessoas vindas de diversas regiões de Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná e, até mesmo, de São Paulo.
 
  Natação conquista 25 medalhas e troféu em Porto Belo
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
43482221 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2019 Jornal Evolução
by SAMUCA