Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo

Reforma Administrativa - São Bento do Sul



Quarta, 08 de novembro de 2017 15:24

Reforma Administrativa

  

Clique para ampliar
Vereadores recusaram projeto do Executivo
 

Um dos projetos mais debatidos na atual Legislatura, foi o de nº 50, que modificava na estrutura da Prefeitura, o quadro de funcionários comissionados – Cargo público criado por lei, com denominação própria e vencimento pago pelos cofres públicos, que compreende o conjunto de atribuições e responsabilidades previstas na estrutura organizacional atribuídas a um servidor, cuja investidura não depende de aprovação em concurso público para provimento em comissão, sendo de livre nomeação e exoneração – O projeto, necessitava de maioria absoluta para aprovação, ou seja, 6 votos, e foi rejeitado na sessão de segunda-feira (06).

 

Na opinião do bloco oposicionista, a reforma caso tivesse aprovação, representaria um aumento de despesas, devido ao aumento de cargos comissionados. Porém, para os vereadores da base do governo, o projeto visava cortar gastos. Para o vereador Jairson Sabino (PSDB), a redação do projeto de Lei nº 50, caso obtivesse aprovação e, considerando os cargos a serem preenchidos, representaria um aumento nos valores gastos com folha de pagamento. “Considerando que, atualmente existe a possibilidade de preenchimento de 174 cargos comissionados e caso preenchidos, representariam um custo anual de RS 12.294.655,00. Porem, destes 174 cargos comissionados, apenas 129 (cento e vinte e nove) estão preenchidos efetivamente, gerando um custo anual de RS 9.123.621,00. Agora se considerar os 154 cargos totais, conforme estabelecia a proposta da reforma administrativa, o custo anual seria de RS 10.869.474,00, ou seja, aumentaria os valores a serem gastos com cargos comissionados e não traria economia, conforme defendem os vereadores de situação”, desabafou Sabino.

 

Já na opinião dos vereadores da base do governo, o projeto visava-se reduzir o número dos cargos comissionados. “O governo não pode ser punido por não ter preenchido os cargos e, depois, simplesmente cortar. Nós somos a administração que menos gasta com cargos em comissão. Não entendo a matemática elaborada pela oposição, defendendo que o projeto representaria um aumento dos valores gastos com os cargos”, comentou Marco Rodrigo Redlich (PP), durante a discussão do projeto da Reforma Administrativa. Pegando brecha na fala de Redlich, o líder de Governo na Câmara Municipal, vereador César Godoy (PSB), comentou do objetivo da proposta.“O fato é que, a atual gestão, é a que menos têm cargos em comissão dos últimos anos, e caso o projeto seja aprovado, coibiremos atualmente e futuramente, o uso de cargos municipais como moeda de troca. O que nós devemos fazer, é debater as planilhas em questão. Não podemos decidir nada sem debater”, argumentou Godoy.

 

O vereador Fernando Mallon (PMDB), durante a segunda discussão do projeto, apresentou números que, em tese, aumentaria a despesa da Prefeitura com cargos comissionados, caso o projeto obtivesse aprovação. “Se pegarmos hoje, os valores que a Prefeitura gasta com os salários e, se estimar os valores caso a Reforma Administrativa seja aprovada, a despesa aumentará em RS 1.745.853,00 ao longo do ano. Não entendo de que forma o projeto visa reduzir o número de cargos comissionados, sendo que, hoje, estão preenchidos 129 e se aprovarmos a reforma, existirá a possibilidade de serem preenchidos 154 cargos comissionados. Se é intenção do governo em reduzir o número dos cargos comissionados, porque não enviam um projeto para extinção dos mesmos? Já que não serão ocupados. Serão criados 25 cargos, e se não vão ser preenchidos, por que estão sendo criados?”, questionou Mallon.


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:








Anuncie Aqui
AS MAIS LIDAS

  MENSAGEM DE ANIVERSÁRIO DE 145 DE SÃO BENTO DO SUL
 
  Teste da biometria em São Bento do Sul reafirma segurança do processo eletrônico de votação
 
  Ministério da Educação libera R$ 8,9 milhões para obras emergenciais no Museu Nacional
 
  É #FAKE print de texto que diz que Jean Wyllys foi convidado por Haddad para ser ministro da Educaçã
 
  SANTO DO DIA: São Mateus, apóstolo e evangelista
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
37150219 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2018 Jornal Evolução
by SAMUCA