Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo

Zika vírus, uma ameaça real



Quarta, 17 de fevereiro de 2016 16:17

Muito tem se comentado nos últimos tempos sobre o Zika vírus. O que mais tem nos alarmado são os casos de microcefalia em crianças associado a esse vírus. Então, essa semana traremos informações para esclarecimentos desse vírus que, infelizmente, tende a nos incomodar por algum tempo.

• De onde vem o Zika vírus?

Esse vírus vem da África. Foi descrito pela primeira vez em 1947, e até então, infectava macacos na ilha de Zika, em Uganda – daí seu nome. Em 1952, identificou-se o primeiro caso em humanos.

• Como o Zika chegou ao Brasil?

Há 2 suspeitas da chegada do Zika ao nosso país: a Copa do Mundo de 2014, que trouxe muitos estrangeiros ao país, e um campeonato de canoagem em 2015 no RJ, que contou com participação de nações do Oceano Pacifico, como a Polinésia Francesa e a Micronésia. Esses locais foram os primeiros a sofrer surtos de Zika, e a linhagem que se instalou aqui é a mesma de lá. E aqui no Brasil o vírus encontrou um ambiente perfeito, com bastante gente e uma enorme população de mosquitos.

• Qual a principal forma de contágio?

Através da picada do mosquito, cujo principal é o Aedes Aegypti (acredita-se que outros tipos de mosquito Aedes também possam transmitir o vírus). Há relatos de casos de transmissão via sexual e por transfusão de sangue.

• Quais os sintomas da infecção pelo Zika?

Os sintomas geralmente são leves. Cerca de  80% dos infectados não apresentam sintomas. Já os outros 20% tem um quadro parecido com o da dengue: febre, dores no corpo, manchas vermelhas e até diarreia e vômito. O mal estar dura de 3 a 7 dias.

• Quais as principais diferenças em relação a dengue?

Por causa da familiaridade entre esses vírus (e o Chikungunya também), as manifestações se confundem. A OMS diz até que são doenças idênticas, tanto é que o Zika só é investigado depois de descartados os outros. Um sinal, além dos já citados, que é mais comum no Zika é a vermelhidão nos olhos. Mas somente um exame é capaz de confirmar essa distinção.

• Como o vírus causa microcefalia?

Nos primeiros meses da gravidez, a imunidade do feto ainda não está estabelecida. Assim o vírus, que tem preferência pelo cérebro, consegue se instalar ali sem resistência. O invasor até vai embora, mas as sequelas de sua estada duram para sempre. A microcefalia ocorre quando a cabeça do bebê é menor que 32 cm. E essa limitação do crânio vem acompanhada de danos ao cérebro.

• Quais sequelas podem resultar da ação do Zika vírus?

O cérebro dessas crianças cresce menos e apresenta malformações, além de pequenas lesões que se calcificam, e podem ocasionar convulsões e deficiências motoras. Fetos acometidos no começo da gestação são mais suscetíveis a complicações mais sérias, mas ainda não há, ao certo, como saber como será o desenvolvimento deles.

• O Zika pode afetar o sistema nervoso dos adultos?

Pode sim. Tudo indica que o Zika tem atração especial pelos nervos. Pode ocasionar uma síndrome chamada Síndrome de Guillain-Barré, que causa paralisia dos membros e requer internação hospitalar.

• Como é feito o diagnóstico?

Primeiro os médicos precisam eliminar outras suspeitas. Depois, o protocolo pede que a pessoa passe por um teste sanguíneo apto a acusar o vírus. (essa técnica é cara, e reservada somente aos casos mais graves).

• Existem pessoas com maior risco de infecção?

Por enquanto, a preocupação maior é com mulheres no início da gestação, porque o vírus consegue atravessar a placenta e chegar ao feto. No pequeno, ainda indefeso, o vírus pode comprometer o desenvolvimento do cérebro e do crânio.

Pessoas portadoras de doenças auto imunes, ou com deficiência no sistema imunológico, como as pessoas que tratam de câncer, tendem a enfrentar quadros mais severos.

• Existe tratamento para esta infecção?

Não existem remédios combater o vírus em si. Os médicos tratam os sintomas e previnem complicações.

• O que fazer para se prevenir?

O mais importante é atacar o vetor, que é o mosquito. Portanto devemos eliminar os criadouros dos mosquitos (locais onde fica água parada). O Ministério da Saúde recomenda também repelentes no corpo todo, inclusive por cima das roupas, especialmente nas gestantes.

Divulguem essa informação. E ajudem na prevenção, que é o fator mais importante para que o vírus não se alastre.

Um grande abraço, e até a próxima!


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:










AS MAIS LIDAS

  São Bento do Sul nesta segunda-feira (16) teve a maior temperatura para o inverno recorde de 33,2ºC
Calor Histórico: Termômetros ultrapassam 41 graus e calor bate recorde em SC
 
  Psicodália 2020 em Rio Negrinho está ameaçado por problemas burocráticos e judiciais
 
  Interbrasil participara da Abrafati 2019
Empresa de São Bento do Sul vai estar no maior evento do segmento de tintas da América Latina
 
  ADÍLSON ANTONIO ROHRBACHER
 
  Fotos do 1º Rock Burger realizado domingo em Rio Vermelho
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
48872464 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2019 Jornal Evolução
by SAMUCA