Fale conosco
            
Fale conosco
            
Edições do Jornal:
            


 
 
Indique para um amigo
Elisa Mota

Carioca criada em Joinville, morando algum tempo em São Bento do Sul e Florianópolis.

Sou vegetariana desde os dezessete anos e recentemente me mudei para a terra do churrasco (Pelotas - RS), onde faço graduação em biotecnologia. Gosto de arte, cultura geral, animais domésticos, psiclogia, história e filosofia. Gosto de algumas pessoas também. Aprecio culinária japonesa... mas tem que ser sem carne. Gosto de escrever, desenhar, conversar, tocar violão, perder tempo na internet e dormir.


Civilidade de expressão



Terça, 18 de novembro de 2014 16:25

Julien Blanc foi proibido de entrar no Brasil e na Austrália. Suas palestras ensinam a conquista de parceiras a partir de métodos descritos como machistas e humilhantes, que incluem: beijos forçados, empurrar (pelo pescoço) a cabeça das mulheres em direção à genital masculina e incentivá-las a pedir dinheiro, diminuir a própria autoestima e sentir medo do “parceiro”. Blanc também estimula seus aprendizes a ignorar a rejeição das mulheres, executando as manobras supracitadas contra a sua vontade.

Assim como as represálias ao discurso homofóbico de Levy Fidelix, às piadas do humorista Rafinha Bastos e ao lançamento do livro da blogueira Yohani Sanchez, a censura à palestra de Julien Blanc abriu a discussão sobre liberdade de expressão.

Teoricamente, somos livres para falar o que quisermos. Podemos nos posicionar contra o governo vigente, criticar o comportamento de artistas e jogadores de futebol, falar mal de quem ou do que quisermos. Temos até redes sociais que nos dão um pouco do poder que anteriormente pertenciam somente a jornais, rádios e emissoras de TV: podemos disseminar aquilo que pensamos aos nossos contatos e estes podem passar as idéias adiante. Ou ainda, podemos deixar essas informações acessíveis a qualquer pessoa que entrar na internet, por meio de configurações de privacidade. Mas deve haver cautela: tudo o que for dito terá conseqüências.

Segundo o Ministério da Justiça, há uma dicotomia entre a liberdade de expressão e o discurso do ódio: liberdade de expressão consiste no direito à livre manifestação de opiniões e idéias, sem que haja agressão à honra ou aos direitos alheios. O discurso do ódio é descrito como expressão de preconceitos em relação às minorias, afrontando a dignidade da pessoa humana e outros valores defendidos pela Constituição.

O comentário do candidato defensor do “aerotrem” no debate com os demais presidenciáveis se mostrou compatível com a definição de discurso do ódio endossada pelo Ministério da Justiça: Além de criticar os homossexuais, o candidato aconselhou os telespectadores a “enfrentarem essa minoria”.

Embora humorístico, o conteúdo apresentado por comediantes não os torna inimputáveis: existe o risco de processos, demissões e até mesmo a rejeição de parte do público, quando o conteúdo exposto é considerado ofensivo ou inadequado. A questão é problematizada no documentário “O riso dos outros”: o escárnio pode reforçar estereótipos discriminatórios ou criticar as diversas formas de opressão presentes na sociedade.

Quanto à blogueira cubana, divergências ideológicas entre ela e alguns brasileiros fizeram com que sua chegada ao Brasil fosse marcada por uma recepção hostil. O lançamento de seu livro foi censurado pela pressão dos manifestantes. Desconheço o conteúdo da obra, mas pelas notícias da época, soube que o livro incluía críticas ao governo cubano (e teoricamente seria esse o motivo das manifestações contrárias). Seria justo impedirmos um brasileiro de lançar um livro criticando o governo do próprio país? Seria justo se esse mesmo brasileiro fosse impedido de lançar esse livro no exterior? Acredito que não. A meu ver, nesse caso,  a liberdade de expressão foi prejudicada.

No caso de Julien Blanc, os “ensinamentos” das palestras podem ser considerados um incentivo ao assédio sexual e à agressão física. Portanto, estão em desacordo com a legislação brasileira, que condena ambas as práticas. Além disso, o combate à violência contra a mulher permanece um desafio e não se pode garantir que as pessoas não serão influenciadas pelas palestras. Ademais, aceitaríamos palestras com dicas para subjugar negros, judeus ou homossexuais? Creio que não e considero justo que não se aceite o mesmo com relação às mulheres.

Penso que opressão a grupos já discriminados historicamente não deva ser instigada, seja em palestras, comentários em debates ou apresentações humorísticas. A discriminação persiste, apesar dos esforços contrários e de forma alguma deve ser fomentada. A liberdade de expressão só pode ser mantida com um consenso de empatia e respeito ao próximo. Se quisermos continuar usufruindo dessa liberdade, precisamos demonstrar maturidade o suficiente para que as retaliações não sejam necessárias, nem que se tornem mais severas e restritivas: ninguém deseja ser discriminado ou ofendido, ou ainda agredido fisicamente devido à banalização do desrespeito. Se não queremos nenhuma forma de punição pelo que for dito, precisamos nos comportar de modo que ela seja desnecessária.


Encontrou erro? Encontrou algum erro? Informe-nos, clique aqui.

Veja também:








Anuncie Aqui
AS MAIS LIDAS

  São Bento do Sul nesta segunda-feira (16) teve a maior temperatura para o inverno recorde de 33,2ºC
Calor Histórico: Termômetros ultrapassam 41 graus e calor bate recorde em SC
 
  Psicodália 2020 em Rio Negrinho está ameaçado por problemas burocráticos e judiciais
 
  Interbrasil participara da Abrafati 2019
Empresa de São Bento do Sul vai estar no maior evento do segmento de tintas da América Latina
 
  ADÍLSON ANTONIO ROHRBACHER
 
  Fotos do 1º Rock Burger realizado domingo em Rio Vermelho
 

Classificados
Clique aqui e envie seu anúncio gratuitamente.

 
48872004 acesso(s) até o momento.

Inicial   |   Notícias   |   Classificados   |   Colunistas   |   Sobre nós   |   Contato

© Copyright 2019 Jornal Evolução
by SAMUCA